“Ouvindo Nosso Bairro” é objeto de críticas de associações de moradores

Já havíamos publicado aqui considerações críticas sobre o projeto “Ouvindo Nosso Bairro” e retomamos o tema para aprofundar algumas questões sobre a participação popular levantadas por associações de moradores de algumas localidades.

Lançado pela prefeitura no começo deste ano, o projeto pretendeu listar solicitações por obras pontuais nos 163 bairros da cidade no período compreendido entre 10 de janeiro e 4 de fevereiro.

Como destacamos anteriormente, este projeto não guarda ligação com o processo de planejamento estratégico da cidade.

No entanto, somos provocados a perguntar: por que o primeiro ciclo de “oficinas de bairro” do “Plano Salvador 500, revisão do PDDU e LOUOS” – que buscou traçar um diagnóstico da cidade – não foi objeto deste mesmo esforço de abranger os 163 bairros da cidade? Por que foi dividido em apenas 17 áreas que, na maioria dos casos, combinavam realidades tão desiguais, o que também praticamente inviabilizou a coleta de informações mais territorializadas?

Estamos de acordo com o Movimento Nosso Bairro é 2 Julho e a Associação de Moradores do Nordeste de Amaralina quando estes pontuam que a divulgação dos encontros, em muitos casos, se deu com pouco intervalo de tempo para mobilização da comunidade e o tempo dedicado ao encontro foi limitado.

Além disso, a participação popular necessita ser realizada como movimento permanente, o que faz com que as demandas historicamente constituídas não possam ser ignoradas. Daí deriva a necessidade de apresentar, ainda que minimamente, um quadro prévio com dados sobre os bairros como elemento importante para qualificar as discussões, aspecto este que também esteve ausente no ciclo de “oficinas de bairro”.

Por último, focado no levantamento de obras necessárias, o projeto “Ouvindo Nosso Bairro” deixa de levar em conta que muitas vezes a melhoria para uma determinada localidade se encontra antes na ampliação dos serviços públicos presentes do que em “construções”.

Assinalamos outra vez que não restou nenhuma forma de controle, pois não houve como os participantes guardarem nenhum registro dos “produtos” obtidos no evento, o que não garante que as prioridades apresentadas pelos moradores serão de fato aquelas a serem atendidas. Não se faz possível assegurar que as ações da prefeitura estarão ligadas as demandas populares.

2 comentários em ““Ouvindo Nosso Bairro” é objeto de críticas de associações de moradores

  • 10 de agosto de 2017 a 17:01
    Permalink

    Mas uma vez fui enganado com o Ouvindo o Bairro
    pq não apareceu na lista do Ouvindo o Bairro a ligação Via Bronze Valeria e o campo de futebol Conjunto Jardim Valeria I

    Associação de moradores Conjunto Jardim Valeria I
    Presidente Iraquiano

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *