Seminário

seminario5


CONDIÇÕES SOCIAIS, SEGREGAÇÃO E VIOLÊNCIA
Inaiá Maria Moreira de Carvalho – Socióloga

Concentrando a população, a produção e a riqueza, as grandes metrópoles brasileiras vem adquirindo uma importância econômica, social e política cada vez mais ampla, mas, ao mesmo tempo, transformando-se no epicentro da nossa crise social e urbana. Essa crise tem se agravado especialmente em algumas dessas cidades, como é o caso de Salvador, a terceira maior capital brasileira, com uma população de 2.675.656 de habitantes em 2010 e o comando de 3.573.973 na sua região metropolitana. (Texto completo)


REFLEXÕES ACERCA DA QUESTÃO DA HABITAÇÃO SOCIAL EM SALVADOR
Teresa do Espírito Santo – Arquiteta

Hoje a moradia digna se configura como um dos grandes desafios das cidades. No caso de Salvador, convém restabelecer, mesmo brevemente, o contexto em que esse quadro se constituiu enquanto um problema de graves e crescentes proporções. Não que tenha havido um período – desde a sua fundação – em que todos os habitantes da cidade tenham tido uma solução decente de habitar, mas, houve um momento em que isso passou a se configurar como um problema de grande magnitude e visibilidade, quando a questão extravasou para além dos cortiços, becos e vielas onde os pretos e pobres se abrigavam e começaram a surgir as ocupações irregulares de terrenos. (Texto completo)


MOBILIDADE URBANA
Juan Pedro Moreno Delgado – Arquiteto e Urbanista

Com uma população de 2,6 milhões de habitantes Salvador é a terceira cidade mais populosa do Brasil e a oitava mais populosa da América Latina. Salvador é uma das cidades mais densas da América Latina apresentando densidades próximas aos 600 hab/Ha., nos bairros de Pero Vaz e da Liberdade, densidade comparável ao Bairro de Copacabana no Rio de Janeiro. (Texto completo)


SITUAÇÃO DE SALVADOR DO PONTO DE VISTA AMBIENTAL E DE USO DO SOLO
Julio Cesar de Sá Rocha – Advogado

O primeiro elemento a ser colocado é de que do ponto de vista legal, pela própria Constituição Federal, art. 225, art. 23 c/c art. 30) um município tem autorização para licenciar atividades potencialmente impactantes em seu território. O problema é que a Prefeitura de Salvador tem autorizado atividades sem critério, pois não existe lei municipal que defina o procedimento para atuação local. (Texto completo)


SALVADOR DO PONTO DE VISTA DO PLANEJAMENTO URBANO
Carl Von Hauenschild – Urbanista

De saída, convém definir o que entendemos por planejamento, pois existem visões muito diferentes quanto a isso. Para alguns, planejamento é o simples ato de fazer um plano para a definição de regras a ser seguidas por quem se interessa por alterar uma propriedade, ou terreno, para um novo uso, urbanização ou edificação. Essas normas são sempre diferenciadas de acordo com a localização do terreno. Esta é uma visão do planejamento urbano para fins de gerar um instrumento de gestão de controle do solo e de expansão da cidade. (Texto completo)


SALVADOR: A DESURBANIZAÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA
Paulo Fábio Dantas Neto – Cientista Político

A precariedade (material e em legitimidade política) do Poder Municipal de Salvador e o conflito político e administrativo que frequentemente sustenta com o Governo Estadual podem ser compreendidos de modo melhor ao se examinar razões históricas e não apenas aproximações ou incompatibilidades político-partidárias momentâneas entre grupos que a cada momento ocupam ambas as instâncias de poder. Essas razões históricas são ligadas a um desencontro entre “cidade” e “política”, problema que já dura meio século e começou com o surgimento da Salvador moderna. (Texto completo) (Anexos 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7)